Guia de Exâmes

Guia de Exames

DIAGNÓSTICO MOLECULAR NAS INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS

As infecções respiratórias são a terceira causa mundial de morte em adultos, sendo a pneumonia a principal causadora destas fatalidades.

Estas infecções causam doenças com grau variado de evolução, que vão desde casos com sintomatologia leve, até casos graves de hospitalização e óbitos (ocorrem principalmente em idosos e crianças). Estas infecções são responsáveis por grande parte das consultas médicas ambulatoriais, utilização dos serviços de emergência e internações.

As doenças respiratórias virais são causadas principalmente pelo: Vírus Sincicial Respiratório (RSV), Influenza, Rhinovírus, Parainfluenza, Adenovírus, Metapneumovírus, Coronavírus e o Bocavírus. As formas de transmissão são através da inalação do vírus presente no ambiente, eliminados pelo indivíduo infectado através dos espirros e tosses, e de forma menos comum a partir do contato com objetos infectados seguida pelo contato da mão contaminada com a boca ou nariz.

Os principais sintomas são: febre, calafrios, dores de cabeça e no corpo, fraqueza, congestão das vias aéreas superiores e perda de apetite; podendo causar complicações como amigdalite, laringite, bronquite e pneumonia. Em crianças pode ainda ocorrer a presença de vômitos e diarréia, enquanto idosos ou indivíduos com doença crônica podem ter complicações graves que podem ser fatais.

 

Diagnóstico molecular
Em alguns casos onde há a suspeita de infecção por algum patógeno respiratório específico, é possível fazer a pesquisa isolada deste agente. Para isto o DB Molecular fornece a pesquisa molecular dos seguintes patógenos:
DIAGNÓSTICO MOLECULAR NAS INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS - LÂMINA

Quadro 1: Código DB e metodologia dos exames moleculares para detecção dos patógenos respiratório.

 

Como os sintomas das doenças respiratórias muitas vezes são inespecíficos, em alguns casos se torna necessário um teste que permita a diferenciação do agente causador da doença. Essa identificação permite a intervenção clínica apropriada, com o correto tratamento dos indivíduos, principalmente aqueles com complicações prévias (asma, doença obstrutiva pulmonar e indivíduos imunossuprimidos).

A importância do diagnóstico se dá pela grande variedade de agentes patogênicos envolvidos e também pela alta frequência de coinfecções. Em alguns casos, onde se há a suspeita de infecção por algum patógeno respiratório específico, é possível fazer a pesquisa isolada deste agente. Segue no quadro abaixo as opções de patógenos que podem ser pesquisados de forma isoladas.

DIAGNÓSTICO MOLECULAR NAS INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS - LÂMINA


Quadro 2: Código DB e metodologia utilizada no painel de infecções respiratórias.

 

Como os casos de coinfecções respiratórias são comuns, o DB disponibiliza também o Painel Molecular de Infecções Respiratórias. Este teste permite a detecção simultânea de 21 patógenos, com alta sensibilidade e especificidade dos agentes mais envolvidos nas doenças respiratórias.

O uso destes painéis conferem vantagens, como um diagnóstico mais rápido e preciso, evitando a prescrição desnecessária de antibióticos e o uso correto de antivirais (nos casos de síndromes agudas graves e em pacientes com imunossupressão), a redução do tempo de internação e da necessidade de realização de testes laboratoriais, diminuindo os custos na manutenção da saúde do paciente comprometido.

DIAGNÓSTICO MOLECULAR NAS INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS
Quadro 3: Patógenos analisados no painel molecular de infecções respiratórias.

 

Referências Bibliográficas:
1.DOLIN R. Harrison's Principles of Internal Medicine. 17 ed.. Philadelphia: MacGraw-Hill, 2007.
2.GREENBERG, S. B. Curr Opin Pulm Med., v. 8, p. 201-8, 2002.
3.GONZALES, R. et al. Ann Intern Med., v.134, p. 479-86, 2001.
4.Mahony JB. Clin Microbiol Rev. 21(4):716-47, 2008.
5.Reis AD, et al. Rev Inst Med Trop Sao Paulo. 50(1):37-40, 2008.
6.TREANOR, J. J.; HAYDEN, F. G. Murray and Nadel's Textbook of Respiratory Medicine. 4. ed. Philadelphia: Elsevier Saunders, p. 867-919, 2000.
7.Wang W, et al. J Virol Methods. 162(1-2):40-5, 2009.

 

 

 

Encontre um Laboratório Parceiro

Laboratórios Parceiros

Encontre um Laboratório Parceiro

Encontrar